Fim de ano é tempo de muitas festas e confraternizações regadas a muita comida e álcool. Mas os exageros podem fazer com que esses felizes encontros terminem no hospital. Então se por acaso você abusou na comemoração de Natal, aí vão algumas dicas e orientações de especialistas médicos que tratam os males do sistema digestivo.

Uma doença crônica que costuma se agravar muito com os excessos cometidos nos festejos de fim de ano é a pancreatite, que pode tomar sua forma aguda e evoluir de forma rápida e muito agressiva.  “Em geral, quem tem  uma pancreatite crônica só se queixa de alguns desconfortos intestinais que vão se agravando com o tempo. Porém, é justamente nestas épocas de festejos de fim de ano, em que se consome uma carga de álcool e gordura muito grande e de uma só vez, que esse quadro de pancreatite crônica leve pode se tornar uma pancreatite aguda“, explica o gastrocirurgião Adilon Cardoso Filho (CRM GO 9616).

Segundo o médico, os sintomas da pancreatite aguda são forte e repentina dor abdominal, perda de apetite, náuseas, vômito e febre. Adilon esclarece, no entanto, que nem todos os quadros de pancreatite aguda estão associados ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas e má alimentação. Por isso a necessidade de levar o paciente a um serviço de emergência, em caso de fortes dores abdominais que não cessem com analgésicos. Embora seja uma doença de sintomas agressivos, o especialista explica que o tratamento prestado nos serviços de emergências dos hospitais têm grande efetividade na cura das crises de pancreatite aguda.

Refluxo

Além da pancreatite aguda, outro problema que pode acabar com a alegria de suas comemorações de fim de ano é o refluxo gastroesofágico, ou doença do refluxo. Os excessos cometidos nestes períodos festivos agravam os sintomas de quem tem a forma crônica da doença. “O refluxo acontece quando os conteúdos do estômago e do intestino (a bile) retornam ao esôfago, fazendo com que a mucosa esofágica seja agredida. Então quando o indivíduo come muito, e isso é bem comum nesta época de festas de fim de ano, esse conteúdo dentro do estômago estimula uma produção maior de ácido [gástrico] e outras secreções, e num dado momento isso é refluído, ou seja sobe e retorna para o esôfago“, explica o cirurgião e endoscopista bariátrico Sérgio Barrichello (CRM: 111301-SP).

De acordo com o cirurgião do aparelho digestivo, doutor em cirurgia clínica e professor adjunto da Escola de Medicina PUC Paraná, Flávio Ivano (CRM 10425 PR ), os episódios de refluxo costumam ser mais frequentes e intensos nesta época do ano por causa dos excessos alimentares e a ingestão de mais frituras, condimentados e bebidas mais ácidas como refrigerantes e álcool. Tudo isso, mais o fato das pessoas comerem muito e tarde da noite, é contraindicado para portadores de refluxo.

Moderação sempre

Mesmo quem não sofre da forma crônica do refluxo, pode ser acometido pelos sintomas da doença, em virtude dos excessos cometidos durante as festividades de fim de ano. O refluxo pode atingir mesmo indivíduos saudáveis apenas pelo excesso de comida. A dilatação do estômago e aumento na pressão do esfíncter esofágico podem promover um refluxo apenas naquele momento, causando desconforto.

Quem já sabe que tem a doença do refluxo e quer festejar neste fim de ano precisa, mais do que nunca, seguir a linha da moderação e da disciplina. É importante manter, mesmo neste período de festas, a dieta balanceada, evitando condimentos e frituras, além de evitar fazer refeições próximo da hora de dormir. Ao se alimentar à noite espere pelo menos duas horas para depois ir se deitar, e evite, o quanto possível, as bebidas alcoólicas, as bebidas ácidas como refrigerantes e sucos diluídos com pó, e o fumo. Outra boa recomendação e que melhora os desconfortos noturnos do refluxo é elevar a cabeceira da cama, colocando um calço sob os pés da cama ou mesmo usar mais travesseiros para elevar a postura ao deitar.