Mikaely Christethany, 24 anos, tem as bicicletas compartilhadas do condomínio onde mora, o Residencial  Gran América, no Jardim Belo Horizonte, em Aparecida de Goiânia, como grandes facilitadoras de sua rotina diária. “Não temos carro por isso a bicicleta do condomínio é o meu principal meio de condução. Uso para ir à padaria, ao supermercado e para levar o meu filho à escola”, conta a dona de casa, que junto com filho mais velho, Juan Philipe, de 5 anos, percorre seis quilômetros de bicicleta todos os dias.  “São três na ida e três na volta”, diz.

No residencial entregue há três meses pela MRV Engenharia, Mikaely e os demais moradores têm a disposição dez bicicletas compartilhadas do condomínio, que são frequentemente usadas para tarefas do dia a dia e também para o lazer. Mikaely destaca que a iniciativa de disponibilizar as bikes compartilhadas fez com que seu nível de satisfação com o empreendimento aumentasse bastante. “Para mim facilita muito, principalmente nos pequenos trajetos perto de casa”, revela.

Nova demanda

O relatos de Mikaely Christethany  demonstra que as bicicletas, também conhecidas com “magrelas”, estão cada vez mais presentes no dia a dia dos goianienses, tanto que novos empreendimentos na capital começam a se adaptar a essa nova demanda. Para o engenheiro civil e especialista em mercado imobiliário, Rogério Queiroz, Goiânia segue uma tendência que já se consolidou em outros grandes centros urbanos, como São Paulo e Nova York, que têm nos serviços de bike sharing (ou bicicletas compartilhadas) uma alternativa de lazer saudável e também um meio de transporte prático e sustentável, principalmente para trajetos curtos dentro da cidade.

“Antes eram os bicicletários para que os usuários tenham maior conforto e comodidade na hora de guardar o equipamento, mas hoje essa demanda evoluiu temos as bikes compartilhadas que propiciam o incentivo ao uso de bicicletas e práticas de exercícios físicos. Por isso essas exigências estão sendo incorporadas no modernos projetos arquitetônicos”, explica o especialista ao destacar que as novas gerações já trazem consigo uma consciência ambiental e sustentável bem maior, e que ao mesmo tempo buscam sempre comodidade e praticidade. “Hoje em dia, inclusive, tem crescido o número de jovens que não se interessam tanto por carros, que não querem ter o trabalho de manter um veículo, optando por formas mais práticas e saudáveis de se locomover, como transporte por aplicativos ou as bicicletas”, avalia Rogério.

Eessa tendência em priorizar o bem-estar e uma mobilidade mais sustentável  já é percebida em vários projetos arquitetônicos de residências que estão sendo construídos, como o QS Life Home, na região do Setor Marista, próximo à Alameda Ricardo Paranhos, local, que inclusive, é sempre disputado para a prática de atividades físicas. O empreendimento residencial, que tem foco justamente no público jovem, além de um bicicletário para guardar os equipamentos do moradores, contará com 16 bikes compartilhadas.

“Os jovens de hoje têm um desapegado à posse de carros, eles preferem investir seu dinheiro e tempo no bem-estar, nas atividades físicas, além do mais são muito mais preocupados com questões de sustentabilidade. Por isso projetos como o do QS Life Home, já buscam atender a essa nova demanda de mercado”, argumenta o especialista imobiliário, que atua na incorporação no residencial que está sendo construído no setor Marista.

Bom pra cidade

De acordo com Marcus Siqueira,  coordenador regional de Vendas da MRV Engenharia em Goiás, o intuito em disponibilizar bicicletário em todos os empreendimentos da empresa e oferecer bicicletas compartilhadas, é beneficiar não só os clientes da construtora, mas a cidade de maneira geral, incentivando e estimulando uma mobilidade mais sustentável das pessoas, com menos carros na rua. “Vemos que a bicicleta que antes era mais uma coisa de criança e que estava esquecida no canto, ganhou importância nos dias de hoje, seja para quem busca saúde e bem estar, para quem quer economia de tempo e dinheiro na hora de se locomover.

 “A presença de bicicletário e bicicletas compartilhadas são um grande diferencial principalmente em imóveis econômicos, como são os da MRV, mas em breve será uma realidade em todos”, avalia, que informa que só em Goiânia, nos empreendimentos recentemente entregues, há bicicletário no Gran Viena, que fica no Setor Balneário Meia Ponte; no Gran Paradiso, no setor Moinho dos Ventos; e no Gran América, onde existem 10 bicicletas compartilhadas.