O maior problema que o Brasil terá nos próximos anos, no mercado de trabalho, é a falta de talentos, de gente engajada do espírito desta era digital. A conclusão é do professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e diretor de marketing e ambientes digitais da construtora Tecnisa, Romeo Busarello. Considerado um dos executivos mais inovadores do Brasil, Busarello, que atua no mercado de São Paulo (SP), ministrou palestra em Goiânia pela primeira vez, no último dia 26 de junho, e declarou que “se você não tiver conhecimento das demandas do mundo contemporâneo, é questão de médio prazo para a bagagem que você acumula até aqui não valer mais nesses concorridos mercados de trabalho e negócios. Todos nós estamos emparedados”, disse ele.

Palestrante disputado por bancos e empresas de grande porte, como Santander, Bradesco e Nestlé, Romeo Busarello ministrou mais de 600 palestras nos últimos seis anos Brasil afora. Em Goiânia, onde ele esteve a convite da O.M. Incorporadora e City Soluções Urbanas, o executivo falou no Giardino Eventos para uma plateia de corretores de imóveis. Segundo Busarello, “o mundo está trocando de pele”, se referindo a paradigmas que estão sendo quebrados na vida pessoal e profissional das pessoas. Um desses pontos de ruptura, de acordo com Busarello, é a ação cada vez mais assertiva dos algoritmos no escaneamento do comportamento das pessoas.

Busarello exemplificou o argumento citando robôs utilizados pela Tecnisa que já conseguem detectar, por exemplo, os rastros deixados na internet por homens na faixa de 40 anos que tendem a comprar apartamentos. “Há estatísticas no Brasil que atestam que 34% dos casais que se casaram entre os anos de 2000 a 2014 se separaram. E estudos mostram que os homens nessa faixa etária de 40 anos podem formar duas ou três famílias ao longo da vida. Portanto, são condicionantes que o algoritmo considera para entregar aos nossos profissionais um diagnóstico mais preciso, que ajudará muito a converter isso em uma possível venda”, explicou Busarello.

Essas informações trazidas pelos algoritmos, no entanto, não têm valia se os profissionais não souberem interpretar os dados e as demandas do consumidor. É uma dica válida também para quem presta serviço para aplicativos da chamada gig economy, como Uber, Workana e Airbnb. “Nós estamos vivendo na ditadura da meritocracia. Quem não tem boas notas na avaliação do consumidor está fora do aplicativo, simples assim. Tem que pensar no que é melhor para o consumidor. Portanto, é preciso sair do egossistema, onde você controla tudo, e entrar no ecossistema, onde você não controla nada”, apontou Romeo Busarello. Para ele, essa falta de sensibilidade das pessoas que se propõem a prestar um serviço tem causado problemas no negócio de todos os setores, do imobiliário ao hoteleiro, passando pelo de transportes e etc.

O despertar para a era digital

Diretora executiva da O.M. Incorporadora, Ana Flávia Canedo concordou com o prognóstico apresentado por Romeo Busarello. Ela pontuou que o palestrante, que é um dos gurus da inovação no Brasil, conscientizou os corretores de imóveis presentes para a necessidade de se preparar para o futuro em função das mudanças que todo o mercado está sofrendo nessa era digital. “Nós trouxemos o Busarello a Goiânia pela primeira vez justamente para promover essa mexida no mercado e na mente das pessoas. Não se pode ficar acomodado. Como ele disse, é preciso buscar ferramentas novas, novos conhecimentos. Romeo mostrou que o profissional de hoje deve ficar atento ao time e não perder essas mudanças mercadológicas”, disse Ana Flávia.

O diretor executivo da City Soluções Urbanas, João Gabriel Tomé, avaliou que o conhecimento compartilhado por Busarello com os profissionais de Goiânia ocorreu em um momento estratégico para a City e a O.M. Incorporadora, que se preparam para lançar um empreendimento no Setor Oeste também com a proposta de inovação, modernidade, convivência entre as pessoas e conservadorismo, ao mesmo tempo. “Fomos agraciados hoje com uma palestra de alto nível, de um profissional com experiência de 32 anos no mercado não só do Brasil, mas dos Estados Unidos e da China. Tenho certeza que, a partir dessa troca de experiências, os maiores beneficiados serão os consumidores que serão atendidos pelos profissionais que tiveram esse momento de imersão com o Romeo Busarello”, pontuou o executivo João Gabriel Tomé.

Networking é essencial

Romeo Busarello, que foi um dos responsáveis pela primeira venda de apartamento no Brasil pelo Twitter, ressaltou que já chega a 7 milhões o número de brasileiros que têm trabalho, mas não têm emprego, ou seja, carteira assinada e direitos trabalhistas garantidos. É um público que abrange, por exemplo, o conjunto de 1,2 milhão de motoristas ativos em aplicativos de transporte de passageiros até maio deste ano. “Quem está um pouco acima de média vai se destacar, com certeza”, analisou o especialista sobre a ampla concorrência nesses app’s. “Tudo hoje será plataforma [de serviços contratados por aplicativos]. Para se dar bem nesse mercado, é preciso ter uma alma digital e, claro, conversar com as pessoas, estabelecer conexões, ter um bom networking. Nesta era atual, sai o C de controle e entra o C de confiança”, concluiu Busarello.