Nesta quarta-feira, dia 27, o início do jogo entre Goiás x Aparecidense, do Campeonato Goiano, no Estádio Serrinha, irá trazer aos torcedores presentes uma conscientização sobre o número de casos de feminicídio, que aumentou em 2018 no estado, segundo dados da Secretária de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO). A campanha, que tem como tema ‘Feminicídio é Crime’, é idealizada pelo Grupo Mulheres do Brasil – Núcleo Goiânia, em parceira com o Goiás Esporte Clube.

Na ocasião, 33 mulheres representando vítimas de casos de feminicídio entrarão em campo junto com os jogadores, carregando cruzes que serão colocadas no círculo central do gramado. Além disso, será realizado um minuto de silêncio, e, no decorrer desse tempo, o locutor fará leitura dos nomes das 33 vítimas de feminicídio de 2018. Durante o hino, elas ficarão de mãos dadas em volta do círculo central. Ninguém solta à mão de ninguém.

A busca pela ação e conscientização é essencial, pois a cada duas horas uma mulher é assassinada no Brasil e nos últimos anos os crimes cresceram no país, principalmente no Estado de Goiás. A ação busca chamar o público masculino a uma reflexão, apresentando um cenário que seja transformador, para que possam entender e debater sobre uma temática que a cada dia revela dados alarmantes.

“85% do público em estádio é masculino e com essa campanha buscamos conscientizar os homens que o feminicídio, ou seja, a morte da mulher pela sua condição de gênero, por ciúmes ou inconformismo com o término de relacionamento, por exemplo, é crime hediondo. O Grupo Mulheres do Brasil – Núcleo Goiânia quer chamar atenção para a necessidade de se falar sobre o combate à Violência Contra Mulher”, revela a coordenadora do Comitê de Combate à Violência Contra Mulher do Núcleo Goiânia e co-fundadora do Grupo Mulheres do Brasil, Maria Luiza Cavalcante Lima.

Goiás

Dados alarmantes mostram que o Brasil é o quinto no ranking de violência doméstica e Goiás é o segundo Estado brasileiro que mais teve homicídios de mulheres em 2014. O dado foi publicado no Panorama da Violência Contra as Mulheres no Brasil, pelo Observatório da Mulher contra a violência no Senado Federal.

De acordo com pesquisa, Goiás registrou taxa de 8,4 homicídios por 100 mil mulheres, o número é superior à média nacional, de 4,5 homicídios por 100 mil mulheres. Goiás fica apenas atrás de Roraima, que teve uma taxa de 9,5 para cada 100 mil mulheres.

2019

E 2019 começou ainda mais violento. Foram 21 mortes e 11 tentativas de assassinatos noticiados na imprensa até o dia 6 de janeiro.

Futebol e Violência

Por trás do esporte, especialmente o futebol, há histórias de (muita) violência. Segundo o Centro Nacional para Violência Doméstica, na Inglaterra, os casos de violência doméstica crescem 26% durante as partidas da seleção inglesa, 38% se perde a partida e 11% no dia seguinte.