Realizado no país desde 2015 o KWC Brasil – Campeonato Mundial de Karaokê (www.kwcbrasil.com.br), seletiva para o campeonato mundial de Karaokê, teve sua primeira edição totalmente online em função da pandemia. Dentre as várias surpresas do concurso, é a primeira vez que haverá 4 cantores representando o Brasil no mundial, que também será realizado em formato totalmente online. Um deles, justamente o primeiro colocado na etapa nacional, é natural de Goiânia.

Max Moraes tem 46 anos e tem a música não somente como uma de suas profissões (ele também é jornalista, redator, tradutor e já atuou em espetáculos de teatro musical), mas como motivação e terapia. “É difícil enxergar uma linha de separação entre a música e minha vida. Música faz parte de mim desde criança”, comenta. Seu primeiro instrumento foi o piano e ele chegou a pensar que seria concertista, mas a rotina e a extrema dedicação necessária para os estudos o fizeram repensar. “Admiro quem consegue se dedicar, mas por mais que eu ame o instrumento eu não conseguiria ter a mesma disciplina.

Foi mais tarde, enquanto cursava o Bacharelado em Música Sacra em Brasília, que descobriu sua voz e se encontrou como cantor. Desde então Max Moraes vem se dedicando à carreira e já participou de grupos vocais, bandas, corais e tem 2 trabalhos-solo lançados, tendo sido o último lançado há exatamente 1 ano. Intitulado “SOM”, está disponível em todas as plataformas digitais.

KWC Brasil

Foi seu primeiro concurso. “Já insistiram muito para eu participar de seleções para o Ídolos, The Voice, essas coisas, mas sempre tive um pé atrás, não me sentia confortável”, confessa. “Este concurso foi diferente tanto porque senti familiaridade, já que adoro karaokê, quanto porque o ambiente online me deixou mais à vontade, já que seríamos julgados mas não estaríamos em frente aos jurados”.

Max esteve concorrendo com cantores de 66 cidades em 15 estados brasileiros, algo inédito para o KWC Brasil. Izabel Nori, sócia da TK Produções Artísticas e realizadora do evento, afirma ter sido uma experiência única: “Estávamos acostumados a ter cantores de várias cidades mas não tantas, já que o fato de as seletivas acontecerem quase sempre no eixo Rio – São Paulo dificultava a participação de cantores de outros estados. Desta vez todos puderam participar e, ainda que virtualmente, estavam todos no mesmo lugar”.

Max Moraes reside em São Paulo há quase 3 anos, mas não se esquece de suas raízes. Apesar de ter sido registrado como brasiliense e ter estudado na capital federal ele nasceu mesmo aqui em Goiânia. “Documento é importante pra algumas coisas mas artisticamente o que conta é o que está no sangue, o que eu herdei. E não tem jeito, eu nasci em Goiânia, tenho sangue e raiz goiana, e muito orgulho disso.

Apesar de ter conquistado o primeiro lugar Max Moraes não estará sozinho na disputa. “A classificação serviu apenas para efeito de distribuição dos prêmios da seletiva nacional, mas todos somos campeões, assim nos chamamos e assim vamos representar nosso país no mundial”, esclarece. André Kuni, de São Paulo, e Antônia Medeiros, do Rio de Janeiro, bem como a bicampeã Ananda Torres, também do Rio, completam o quarteto de cantores que o KWC Brasil levará para o KWC – Karaoke World Championships, também em sua primeira edição totalmente online. A preparação vocal dos campeões é feita por Vivi Keller e Joe Hirata. O Mundial de Karaokê ocorrerá entre os dias 2 e 7 de novembro, com transmissão online ao vivo da grande final no dia 7.

Mais informações:

http://www.kwcbrasil.com.br

@kwcbrasil

@kwcofficial

@meunomeemax

@andrekuniii

@toniabmedeiros

@anandatorresmusica

@izabelnori

@vivi.keller

@joehirata