Se for para sair de casa, que seja por uma boa ação: doar sangue. Esse é o apelo que a Hemorrede Pública de Goiás faz diante da redução de 18% nas doações de sangue em março, se comparado ao mesmo período do ano passado. A perspectiva é que essa queda no estoque se acentue nos próximos dias devido ao aumento do número de casos de contaminação por coronavírus. Apesar do isolamento social determinado pelo governo como forma de conter o avanço da Covid-19, as unidades que coletam doações de sangue continuam funcionando normalmente.
É preciso reverter o quadro, e só a população mobilizada será capaz disso. Nesse sentido, a diretora-geral da Hemorrede Pública de Goiás, Denyse Goulart, explica que as pessoas que não apresentam sintomas de gripe podem manter as doações de sangue. “As unidades da Hemorrede seguem funcionando, e todos os colaboradores já foram orientados sobre os protocolos adequados para atender doadores e pacientes nos hemocentros”, afirma.
A triagem clínica dos doadores já incluía a verificação de dengue, chikungunya e zika. “Após a atualização dos critérios do Ministério da Saúde, foi incluída também a Covid-19 e outras variações como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers)”, explica Denyse. Ela destaca que a Unidade Móvel do Hemocentro, em ações externas na região metropolitana, segue funcionando normalmente.
Além de Goiânia, outras oito unidades da Hemorrede – nas cidades de Quirinópolis, Jataí, Rio Verde, Catalão, Iporá, Formosa, Ceres, Porangatu – estão abertas e recebendo doações. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, sem intervalo para almoço. Em todas as unidades, os protocolos de precaução estão sendo observados, como o distanciamento de cadeiras nas salas de espera, além da higienização de maçanetas e cadeiras de doação. Em Goiânia, devido à reforma do Hemocentro Coordenador Estadual Nion Albernaz, os doadores estão sendo acomodados ao ar livre até o momento da doação.
As autoridades do Ministério da Saúde reforçam que não existe evidência de transmissão de coronavírus por transfusão de sangue, porém, a indicação é que pessoas que tiveram contato com pacientes infectados ou estiveram em uma das regiões endêmicas da Covid-19 fiquem impedidas de doar sangue pelo prazo de 14 dias. Já para pessoas que tenham o diagnóstico de infecção por coronavírus, a recomendação é que se respeite o prazo de 30 dias para a doação, a contar após a remissão dos sintomas.
Os doadores atendidos pela campanha de vacinação contra a influenza H1N1 deverão aguardar 48 horas para doar sangue. Lembrando que não é recomendado aos idosos, grupo mais afetado pelo Covid-19 em todo o mundo, saírem de suas casas neste momento. Também se recomenda que os doadores não formem grupos para se dirigir aos hemocentros, evitando assim pequenas aglomerações nos locais.
Requisitos para doação
Os requisitos básicos para passar pela entrevista de pré-doação de sangue são: estar saudável, ter peso acima de 50 quilos, apresentar documento oficial com foto e válido em todo o território nacional, ter idade entre 16 e 69 anos, sendo que antes de completar 18 anos é necessária uma autorização dos pais ou responsáveis. Quem tomou a vacina da febre amarela deve aguardar 30 dias para fazer uma doação.
Para quem tiver alguma dúvida, os telefones da Hemorrede Pública de Goiás são: (62) 3201-4564 e (62) 3201-4575.
Fotos: Erus Jhenner
Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás