Entrevista Exclusiva: Rafael Lisita

3205

Uma nova sensação da música pop está surgindo, com músicas cantadas em inglês e com o ritmo POP, o goiano Rafael Lisita mostra que há muito mais que sertanejo por aqui.

Com apenas 25 anos, o ariano faz sucesso na internet tendo alcançando quase 30.000 acessos com o vídeo Legs Up (seu primeiro single) em seu canal no YouTube. Vejam abaixo:

Também conhecido como The Other, por ter assumido um lado mais obscuro para fora, Rafael se sente mais pleno, completo e confiante. Completou:

“Quando escrevi a letra de “Electric Guitar”, no final de 2011, eu coloquei meu lado pessoal mais obscuro para fora – entendam, obscuro não significa ruim mas, algo que fazia parte de mim e eu tinha medo de assumir, de trazer à luz. Quando digo que quero quebrar uma guitarra na música, a verdade é que naquela época eu queria quebrar muitas coisas, romper com os meus receios, com o preconceito de mim mesmo, minha vontade era de ser livre e plenamente feliz. Foi daí que surgiu a ideia do projeto THE OTHER, esse(s) outro(s) que faz(em) parte de nós mas, não consegue(m) encontrar uma saída. Era para ele que eu queria dar uma voz”.

The Olher significa que vc tem um alter Ego?

Não, The Other é a representação da minha liberdade. Como eu disse, foi a forma que eu encontrei de dar uma voz àquela pessoa que eu sempre fui mas, que ninguém conhecia. Não é um nome artístico também… ,mas o nome do meu projeto.

Você abraçou uma parte em você que não mostrava para ninguém. É isso?

Exatamente.

Jung disse que todos nós usamos máscaras (personas – personalidade) pra camuflar as nossas sombras, aquilo que não aceitamos em nós mesmos, e que só seremos plenos ao aceitar que somos tudo, é assim que você se sente atualmente?

Você acabou de decifrar um trecho do clipe de electric guitar, rs.

Voltando a música, rs. Como começou sua carreira, quando decidiu que queria ser cantor e quais foram as suas influências?

Eu comecei a escrever letras de música aos 14, 15… e sempre escrevi com uma melodia na cabeça, influenciado pelos gêneros que escutava em determinada época. Daí com o meu mestrado em arte e cultura visual, em que eu investigo a representação de identidades estranhas em videoclipes pop (partindo de Gaga e voltando aos anos 70 e 80 com Bowie, Cindy, Boy George, Grace Jones…) eu resolvi criar coragem e investir na minha música. Como minha pesquisa exige um produto final prático, pensei justamente em criar um videoclipe meu com uma música de minha autoria. Foi daí que procurei o pessoal da HEAD e fiz o vídeo Legs Up e hoje Electric Guitar. Eu gosto de pop em todos os sentidos… o pop brasileiro que tem cara de brega, de axé, de funk; o pop americano chiclete com letras e melodias fáceis de gravar; o pop europeu com aquela cara indie… então POP e as suas múltiplas facetas!

Tudo por sua conta? Você teve algum patrocínio ou ajuda?

Tudo por minha conta, mas tive ajuda principalmente da minha mãe. E usei a minha bolsa de estudos pra cobrir parte desse projeto, afinal, faz parte da pesquisa. Minha mãe é aquela que entrou no barco comigo. Ela aposta, acredita, incentiva… não somente no aspecto financeiro.

Qual conselho você daria pra quem não tem uma mãe ou uma bolsa de estudos? Você tem ideia de quanto gastaria num clipe no formato de Legs ou Eletric Guitar? Você desistiria se não tivesse esse apoio?

Desistir, JAMAIS! Eu teria seguido um outro caminho talvez… mas desistir nunca. O dinheiro não é a maior ferramenta pra gente realizar os nossos sonhos. Quem comanda é a força de vontade e a fé.

Pode nos falar um pouco do clipe Eletric Guitar?

Trata da libertação dos estranhos e termina em uma celebração cheia de cor e brilho. A metáfora das máscaras que você comentou mais cedo está presente… a questão de os estranhos (as minorias) serem puxadas para baixo, marginalizadas pela sociedade que se mascara para ser aceita de alguma forma num mar de gente que segue um padrão.

E os planos para o futuro?

Devo gravar mais músicas nesse semestre e fazer um EP. Quero gravar músicas em português desta vez… e vou seguir a vibe de Legs Up, uma pegada mais urban, latina…

Para terminar você gostaria de deixar um recado pros leitores do site O Confessionário?

Ao pessoal que lê o confessionário, um beijo grande e obrigado pelo interesse em conhecer um pouco mais de mim e do meu trabalho.

Muito obrigado pelo seu tempo e desejamos todo sucesso do mundo Rafael.

Leonardo Portela