Nas regiões com as quatro estações bem definidas, empresas de vestuário apresentam peças ligadas a chegada da primavera. No Brasil, onde  o clima tropical é predominante, durante todo o ano, a moda se reinventa e adequa tendências internacionais para manter a elegância e trazer conforto e bem estar. 

Um grande aliado para que isso aconteça são os tecidos naturais. De acordo com Lorena Darrot, diretora de estilo da Jean Darrot, principal indústria de vestuário do estado de Goiás,  estes tecidos, como o linho, o algodão e a seda, propiciam maior sensação de frescor e de bem estar. “São fibras que permitem que o corpo respire e amenize o calor”, explica a especialista ao acrescentar que eles ainda têm a  produção mais limpa e são resistentes que os sintéticos. 

Jean-darrot-2

Lorena destaca ainda que há cerca de três anos eles tem dado preferência para os tecidos naturais. Segundo ela, na última coleção da marca, que é a Raimbow, o crepe ágatha – que é a novidade do mercado – é destaque. “ Ao contrário do crepe tradicional, feito de poliéster, esse é de viscose,e tem tido grande aceitação graças a refrescância que propicia”, explicou ao destacar que na coleção de primavera 2019, o linho – que era tido como um tecido de pessoas mais velhas, ressurgiu e está de volta em quase todas as marcas. 

Segundo a diretora de estilo, o linho é outro tecido que voltou às vitrines das principais marcas com força total. De acordo com ela, o tecido deixou de ser considerado um tecido para roupa de “pessoas mais velhas”, imagem que tinha graças a sua história e ligação com roupas tradicionais de escritório,  e caiu nas graças das fashionistas, justamente por esse ar mais natural e fresco. “Ele é a grande tendência para a primavera de 2019”, analisa.

Ecologia

Em nível internacional os tecidos naturais estão presentes nas coleções com o objetivo de atender o chamado do público para a necessidade de preservação do planeta. Isso por que, há um  movimento crescente para o consumo consciente de moda, que, entre outras coisas, estimula o abandono dos materiais sintéticos. Neste sentido, as fibras naturais, que são menos poluentes e mais duráveis, ganham espaço, já que são uma alternativa ecológica, fabricada a partir de fibras vegetais, que tem a composição totalmente orgânica.