Juliette Freire, 31 anos, é natural da Paraíba, advogada e maquiadora. Entrou na casa mais vigiada do Brasil com apenas 3.000 seguidores, e hoje, encontra-se com mais de 24 milhões de seguidores.

Mas, o que torna a sister a terceira BBB mais seguida do Brasil, equiparando a quantidade de seguidores da Sabrina Sato e Grazi Massafera? O que faz de Juliette um case a ser estudado e o que podemos aprender com a sister? Descrevo agora algumas de suas soft skills, que chamam muito a atenção e que podemos aprender, para tornarmos a nossa vida mais preparada às exigências do profissional do século XXI.

1. Juliette não teme mostrar as suas vulnerabilidades
Isso é o que chamamos de Anti-frágil, uma característica demandada ao profissional do futuro, de acordo com o Fórum Econômico Mundial: Juliette erra, reconhece suas vulnerabilidades, mas, ao mesmo tempo, trabalha sempre para melhorar, evoluir. Percebe-se que Juliette sabe reconhecer quando errou, pede genuinamente desculpas e não traz à nota os erros dos outros, olhando sempre para frente. E é aí que entra uma outra característica marcante de Juliette: ela não guarda mágoas, conseguindo zerar o que aconteceu com ela e a confusão, focando ao que é mais importante: o prêmio de um milhão e meio de reais.

Lembro-me de uma passagem, que Juliette falou a palavra “retardado” e já se corrigiu na hora, pois sabia que esse termo não deve ser utilizado em pleno século XXI.

2. Juliette não deixa passar e sabe dar feedbacks
Essa é uma das características que mais gosto de Juliette: ela não deixa passar e sempre que não gosta de algo, trabalha com diálogo, e em seus feedbacks, pontua suas queixas com fatos e dados.

Lembro do episódio do bolo, com o Fiuk: o brother combinou de fazer bolo para Juliette e depois, acusou-a de ter comido o bolo quase que inteiro e muito da cobertura, alegando que esta era egoísta.

Juliette foi conversar com ele e conseguiu provar que não comeu o bolo todo, com fatos e dados, e além disso conseguiu desmentir o fato de que Fiuk falou que havia acabado o leite condensado da despensa, indo até o armário e vendo que ainda tinha mais do produto.

A sister é uma mulher que não teme mostrar a verdade, mesmo estando ali com diversas celebridades, que podem ter um fandom maior que o dela.

3. Autenticidade: o mundo está cansado de pessoas mornas e “padrão”
Juliette não nega suas origens, tem muito orgulho de ser nordestina e de ter vindo de baixo. Aproveitando sua história, Juliette conseguiu o feito de construir uma narrativa vitoriosa, onde milhões de brasileiros se identificam com ela, mostrando em seus bordões, falas e atitude.

Aproveitou e trabalhou com o que chamamos de storytelling e jornada do herói. Em suas mídias sociais, Juliette consegue contar sua história de maneira estimulante e dentro do programa, acompanhamos sua jornada de ascensão, queda e redenção:

Primeiro, a participante do grupo pipoca recebe um chamado para entrar na casa. Ela ganha o favoritismo do público para ficar imune na primeira semana, começa a fazer piadinhas e se afobar e começa a desagradar o público. Depois de um tempo, ela se encontra dentro da casa e se transforma, mostrando-se muito mais forte e contando a história de suas origens. Muitos brasileiros se identificam com a sua garra e de onde ela veio, para onde chegou.

Juliette pode não ter feito isso de propósito, mas conseguiu traçar a jornada do herói em sua trajetória ao longo do BBB e tudo indica que será a grande campeã dessa edição.

4. Multifacetada
Além de ser divertida e engraçada, Juliette sabe fazer um pouco de tudo: ela canta, dança, se maquia, sabe conversar sobre assuntos engraçados e polêmicos. Uma das coisas que mais admiro em Juliette é a sua capacidade de se relacionar e se comunicar com todos da casa, de todas as tribos: desde os “bastião”, até os homossexuais, os famosos e as pessoas mais jovens. E é exatamente isso que as empresas buscam de seus profissionais: pessoas que saibam resolver problemas, sem gerar mais problemas, conseguindo conversar com diversos públicos.

5. É impossível ser uma marca de sucesso sozinha
Ao entrar no BBB, Juliette escolheu a sócia no estúdio de maquiagem e o marido dela, Deborah Vidjinsky e Hauyna Tejo, como administradores de seu perfil. Contudo, precisaram contratar mais pessoas e atualmente o perfil de Juliette conta com 18 pessoas, entre redatores, designers, editores e produtores de conteúdo que se revezam entre todas as plataformas que a participante está presente durante 24 horas por dia. Portanto, o que aprendi aqui com Juliette aqui foi confiar minha marca nas mãos de pessoas competentes.

Ter uma equipe competente te faz ter uma resposta mais rápida, adaptando a linguagem da rede social de maneira certeira ao seu público.

6. Cuide da sua marca pessoal
Assim como um produto ou serviço, Juliette se posiciona como uma marca forte. Para construir sua imagem, adotou cactos e elementos nordestinos: tanto que seu fandom é denominado cactos.

Tanto seu conteúdo nas redes sociais, quanto na sua personalidade, Juliette definiu o arquétipo que chamamos de “Bobo da Corte”: divertida, engraçada, mostra suas “gaiatices”, o fato de falar demais, de ser estabanada, suas vulnerabilidades, deixam-na ser “gente como a gente”

7. Carisma
Uma coisa é inegável: Juliette tem muito carisma. E por toda sua espontaneidade, por ser “gente como a gente”, ela é considerada única, em tempos que Influencers estão todas harmonizadas e padronizadas.

Não é à toa que a Globo estuda alternativas para manter Juliette em sua programação. O mundo está carente de pessoas autênticas e ninguém segura essa paraibana retada.

Mariana Munis é professora de Marketing da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.