Seis bailarinos e uma bailarina sobem ao palco do Teatro Goiânia, na noite deste sábado, para apresentação do espetáculo “Predicativo do Sujeito”, que discute as fragilidades masculinas e o tabu ligado à exposição dos próprios sentimentos. A coreografia, que é uma remontagem do renomado coreógrafo Alex Soares, está inclusa na programação do Festival Goiânia em Cena, que começou no dia 16 e segue até o próximo dia 24. O espetáculo está marcado para às 20h e os ingressos podem ser trocados no Teatro Goiânia Ouro. Um livro literário dá direito à entrada.

O espetáculo é detalhista, tem humor sarcástico e a trilha sonora conta com o clássico Bolero de Ravel. De forma sutil, os homens procuram estabelecer o conflito com suas personas e a busca pela anima – considerado como um lado ‘feminino’. Refere-se ao medo e fascínio de entrar em contato com esse lado e suas implicações, um lado oculto, mas determinante.

“Pra mim, dançar esse espetáculo foi desde o início um grande desafio. É uma movimentação muito vigorosa e com muitos detalhes. Não é à toa que Alex Soares é um dos principais coreógrafos brasileiros na atualidade. Para a maioria dos homens é um tabu assumir as suas sensibilidades e isso também é uma forma de entender nossas semelhanças e diferenças”, completa o bailarino Marcus Nascimento.

Projeto Caixa de Memórias

O espetáculo Predicativo do Sujeito faz parte de um projeto chamado “Projeto Caixa de Memórias”, que visa a remontagem de trabalhos coreográficos de importantes coreógrafos brasileiros. Nessa edição a remontagem é do Espetáculo Predicativo do Sujeito de Alex Soares, que atua nas principais companhias de dança do país. O Projeto Caixa de Memórias tem direção artística de Fabiano Lima, coreógrafo em diferentes grupos do país, com destaque para a São Paulo Cia de Dança com o Espetáculo Pivô com o qual foi eleito o terceiro melhor espetáculo de dança de 2016, pelo Guia da Folha de S. Paulo voto do júri. 

O coreógrafo

Em 2012, Alex Soares foi um dos 16 finalistas do 26th International Choreography Competition, evento que anualmente reúne promissores coreógrafos da dança mundial em Hannover, Alemanha. No mesmo ano ganhou o 4th Pretty Creatives International Choreography Competition, o que possibilitou criar Trace in Loss para a Northwest Dance Project, companhia sediada em Portland, Estados Unidos. Em 2013 criou a obra Link para a Ribeirão Preto Cia de Dança, que ganhou o Prêmio de Criação Coreográfica do Ano pela Cooperativa Paulista de Dança. Desde 2010 dirige em São Paulo seu próprio núcleo artístico, o Projeto Mov_oLA. 

 

Como coreógrafo convidado trabalhou com companhias no Brasil: Balé Teatro Guaíra, Balé da Cidade de Niterói , Balé Teatro Castro Alves, Cia Sesc de Dança, Ribeirão Preto Cia de Dança, Corpo de Baile do Amazonas e Balé da Cidade de São Paulo. No exterior: Noord Nederlaãndse Dans (Holanda), Northwest Dance Project de Portland (EUA) e a Hubbard Street Dance Chicago (EUA).