Para a grande maioria das pessoas, a prática esportiva é tão somente um hobby, uma atividade saudável para atingir o bem-estar físico e mental. Mas para outros é um ideal de vida, uma meta a ser perseguida insistentemente. Porém, ser um atleta requer mais do que talento. Tempo para dedicação, disciplina e sacrifícios completam a receita de sucesso para uma carreira esportiva. E nesse 19 de fevereiro, quando comemoramos o Dia do Esportista, mostramos as histórias de quatro atletas. Eles falam sobre sua paixão pelo esporte, que traz os mais difíceis sacrifícios, mas ao mesmo tempo, leva às mais belas vitórias. Confira.

Os gêmeos lutadores

Para a grande maioria dos atletas profissionais essa caminhada no esporte começa cedo. O que o diga os gêmeos Caio e Enzo Junqueiro, de 11 anos, que desde os quatro treinam artes marciais. E mesmo ainda muito jovens, eles já sabem o que é sacrifício e disciplina para se dedicar ao esporte. Com uma rotina intensa de treinos, uma hora e meia todos os dias, os garotos não se descuidam dos estudos e estão sempre prontos para competições no Brasil ou fora.

Toda essa dedicação já tem dado frutos e guarda uma excelente expectativa para o futuro dos irmãos no esporte. Com apenas 11 anos, Caio e Enzo já colecionam mais de 70 medalhas em disputas de karatê, principal modalidade dos jovens atletas.  Dentre os títulos que Enzo possui está o de vice-campeão em 2016 do Mundial Japan Karate Association (JKA), realizado na Irlanda.

Já Caio é tri-campeão brasileiro (2014, 2015 e 2016), bicampeão sul-americano (2014 e 2015) na modalidade e ficou entre os cinco melhores lugar no mundial de equipes realizado em 2016 em Dublin, Irlanda. No fim de 2017, o adolescente ficou entre os oito melhores classificados no mundial da JKA realizado na Irlanda.

Os pais de Caio e Enzo, o empresário Frederico Junqueira e a administradora Marcela do Carmo Rassi Junqueira, percebem a enorme paixão dos filhos pelo esporte, refletida na disciplina e determinação que eles apresentam. “É uma rotina que nunca foi imposta a eles. Na verdade, foi uma escolha natural deles. Os dois adoram participar das competições, por isso sabem que precisam se dedicar aos treinos para buscar sempre os melhores resultados”, conta o pai.

Mas Caio admite que o pai, praticante de karatê quando mais jovem, foi a primeira inspiração para ele e o irmão se dedicarem ao esporte. “Meu pai sempre praticou karatê e por incentivo dele começamos a lutar também. Quando vimos já tínhamos ganhado gosto por este mundo.  Gostávamos de competir, de nos superar e de vencer as lutas! Não é tão fácil conciliar os estudos com os treinos, afinal os dois são bem puxados, mas tendo disciplina e horários a gente vai conseguindo”, conta o jovem Caio, que revela ter o sonho de conquistar o título de campeão mundial de karatê.

O Marmota que bate forte

O apelido pode ser Marmota, mas o lutador de MMA Ismal de Jesus, de 37 anos, não bate como uma. Assim como os gêmeos Caio e Enzo, ele começou cedo no mundo das artes marciais, aos nove anos de idade começou a lutar Judô. Aos 13 anos, Marmota migrou para a capoeira, modalidade que praticou por dez anos, em seguida, seguiu para o Jiu Jitsu e há 11 anos iniciou no mundo do MMA. Atualmente, é lutador oficial do Absolute Championship Berkut (ACB), instituição que organiza vários torneios em MMA na Rússia. Mas apesar de sua atuação fora, ele diz que suas maiores referências são os lutadores brasileiros. “Sempre me inspirei em lutadores como Anderson Silva e Minotauro, grandes nomes do MMA brasileiro e desde criança eu queria seguir esta carreira de lutador”, conta.

Os anos praticando outras modalidades de luta lhe renderam habilidades importantes paras as competições em que participa no MMA, e claro, muitos prêmios. Ismael já conquistou mais de 500 medalhas e quatro cinturões em grandes competições como Campeonato Mundial de Jiu Jitsu, Shooto Brasil (MMA), Champions League Fights e o Absolute Championship Berkut (ACB). E ele garante que as vitórias não param por aí.

“Pra mim ser atleta é a realização de um sonho, mas que exige muita disposição para as várias dificuldades que aparecem na vida. Para mim, um dos desafios mais difíceis foi o de deixar minha família em Goiânia para me instalar no Rio de Janeiro, onde moro atualmente. Mas foi uma decisão necessária e não me arrependo”, diz.

Ela é um Tsunami do MMA

O rostinho pode ser de  menina, mas a pancada é forte como um tsunami. E é por esse apelido, Tsunami, que a paulista radicada em Goiás, Marcela Giantomassi, é conhecida no universo do MMA. Mas a carreira esportiva de Marcela começou numa modalidade bem diferente das artes marciais e pouco popular no Brasil, o rugby, jogo semelhante ao futebol americano, com intenso contato físico e originário da Inglaterra. Depois de quase dez anos praticando esse esporte, enquanto ainda morava em São Paulo, a atleta recebeu uma proposta para  ser treinadora do time de rugby de Goiânia.

Foi nessa época que a personal trainer recebeu o incentivo de alguns colegas de trabalho para participar de algumas disputas de lutas marciais, pois perceberam nela o perfil corporal e habilidades ideais para a luta. “Com três meses de prática do jiu-jitsu eu fiz a minha primeira competição. Nos campeonatos goianos que participei depois que me tornei lutadora profissional eu venci praticamente todos e, além disso, sou bi-campeã das disputas da campeonato organizado pela Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu (CBJJ), nos anos 2016 e 2017.  Após três anos praticando jiu-jitsu, tive a chance de conhecer o MMA e foi paixão à primeira vista”, revela a atleta. A última conquista de Marcela “Tsunami” foi durante sua estreia na 78ª edição do Shooto Brasil, realizado em novembro de 2017 na cidade de São Paulo. O campeonato é o mais importante nacionalmente no universo do MMA.

Uma empresa que acredita no esporte

É, pela rotina de Enzo, Caio, Marmota e Tsunami já deu pra ver que as palavras de ordem no esporte são disciplina e foco. Mas os treinos e as superações diárias não são os únicos desafios que eles enfrentam dia após dia. Já que têm o corpo como instrumento para seu trabalho, os atletas seguem uma dieta rigorosa.

Marmota e Tsunami, por exemplo, têm prescrito em suas rotinas alimentares o açaí, rico em cálcio, manganês, fósforo e potássio, por isso é indicado no pré-treino de atletas por ser uma boa fonte energética e com digestão rápida.

Para manter essa dieta em dia, eles são patrocinados pela Fast Açaí, franquia de alimentação saudável com mais de 160 lojas espalhadas pelo País. Hoje, além de patrocinar os principais times de futebol como Vila Nova Futebol Clube, Associação Atlética Anapolina Anápolis Futebol Clube, Atlético Clube Goianiense e o Goiás Esporte Clube, a Fast Açaí é também patrocinadora de mais de cinco atletas individuais de diversas modalidades. A empresa também tem estado presente como patrocinadora de importantes eventos esportivos realizados em Goiânia, como o Campeonato Bom Senso de Futevôlei e corridas de rua.

“Vincular nossa marca ao esporte é justamente fazer jus ao que buscamos incentivar com os nossos produtos, a prática de uma vida saudável e ativa”, afirma Pedro Lima, diretor de RH da rede de franquias.

Dentro dessa linha de alimentação rápida e saudável, a Fast Açaí oferece um mix de produtos que incluem a polpa de cupuaçu, sanduíches naturais e os wraps (sanduíche feito com pão folha com vários tipos de recheio).