O mundo encontra-se em um período de muita turbulência. Todos os dias são noticiados centenas de novos problemas, somados ao momento de tensão que a pandemia por COVID-19 trouxe com ela, gerando desmotivação, distúrbios psicológicos e alimentares na população.
Um desses problemas tem sido controlar a compulsão alimentar na quarentena. Uma grande parcela dos indivíduos está descontando a frustração do isolamento na alimentação e não estão praticando exercícios físicos. O que acarreta em outra complicação: o ganho excessivo de peso.
Segundo o Dr. Joffre Rezende Neto, gastroenterologista e especialista em tratamento de obesidade, são comuns os casos em que pessoas com problemas de peso também manifestem sintomas de mudanças de humor, e possivelmente, a depressão.

De acordo com o Dr., a tendência é que a qualidade de vida aumente ao tratar o excesso de peso e que ocorra a melhora na disposição. A procura de um profissional qualificado nesse momento é fundamental, para que seja descrito o melhor tipo de tratamento, de acordo com a individualidade de cada paciente.

Existem 3 tipos de tratamento nesses casos: clínicos, são menos invasivos, indicados para excessos de peso inferior. Os cirúrgicos: indicados para obesidade avançada (IMC <40), ou obesidade de grau 2 somada a outras comorbidades. E o terceiro tratamento, especialidade do Dr. Joffre são procedimentos não cirúrgicos, sem cortes, executados por endoscopia digestiva, que seria a colocação do balão intragástrico ou a gastroplastia endoscópica. Segundo ele, é corriqueira a preferência de pacientes que necessitam de tratamentos cirúrgicos a escolha pelos endoscópicos, por ser menos invasivos, pelo medo, receio e ser reversível.

A culpa é um dos primeiros sintomas nesse período de quarentena, porém é mais importante saber identificar quando a alimentação se tornou excessiva e prejudicial, e buscar ajuda profissional. Além da estética, o sobrepeso ou obesidade provoca uma série de comorbidades, tanto físicas quanto mentais.

@drjoffrerezende