Estendendo além do aspecto religioso, a Páscoa há muito tempo vem sendo também um período interessante comercialmente, graças ao aumento no consumo de alguns produtos que são símbolos desta época, como  o peixe (em especial o bacalhau), o vinho ou a colomba pascal. Mas nada supera os sempre esperados ovos de chocolate, preferência da grande maioria. A simbologia em torno do ovo existe, inclusive, antes mesmo da Páscoa Cristã. Em civilizações antigas na Europa, por exemplo, as pessoas trocavam ovos no equinócio de 21 de março para celebrar o fim do inverno e o início da primavera (no Brasil, fim do verão e início do outono).

Quando a Páscoa Cristã começou a ser celebrada, a troca de ovos decorados começou a fazer parte das tradições da Semana Santa e as pessoas passaram a ver neste alimento um símbolo da ressurreição de Jesus Cristo. Mas foi somente na França, a partir do século 19, que surgiram os ovos de chocolate e essa guloseima passou a integrar as celebrações que, além de uma tradição, virou um grande negócio. Aqui no Brasil não é diferente. De acordo com estudo realizado pela empresa de inteligência de mercado Nielsen, o mercado de chocolates no País registrou um crescimento de 5,5% em 2018 e, somente na época da Páscoa, avançou 3,8% sobre igual período do ano anterior. Portanto, além das grande indústrias, muita gente aproveita esta época para faturar um dinheiro extra, com as mais deliciosas e inusitadas versões do produto.

Para pequenos empreendedores que fazem esse produto de forma artesanal, além de levar uma qualidade superior aos ovos de páscoa industrializados, outro desafio é expor seus itens e fazê-los chegar aos consumidores. Além da tradicional propaganda boca a boca, a internet é outra ferramenta eficiente para divulgação do produto. Na XporY.com, plataforma digital de permutas multilaterais, vários de seus associados que trabalham com artigos relacionados à Páscoa usam o serviço para comercializar seus produtos em X$ (moeda digital usada pela plataforma) e ao mesmo tempo divulgá-los a mais pessoas.

Novos clientes

Alexandrina Alves, sócia-proprietária da Hamí Arranjos Comestíveis, empresa fundada há dois anos, tem usado a plataforma de permutas para oferecer alguns de seus criativos produtos, a fim de divulgar sua marca e atingir a um público maior. “Tenho ganhado novos clientes que me indicam para vários outros serviços”, pontua a empresária. Atualmente, cerca de 30% de toda sua clientela consome seus produtos pela XporY.com.

Alexandrina é engenheira eletricista por formação e está concluindo uma nova graduação. Ela relata que na época em que criou o seu negócio estava desempregada e por isso precisava gerar alguma renda. Hoje ela trabalha numa empresa de turismo, mas sua principal fonte de renda vem das vendas de seus inusitados belos e arranjos de chocolates com caixas e cestas personalizadas e uma infinidade de produtos comestíveis criativos para diversas datas, não apenas a Páscoa. “Quando montei meu negócio, quis inovar e pensei: todo mundo gosta de comida e a maioria gosta de romantismo, então por que não unir os dois?”, revela a empreendedora que é autodidata e aprendeu a fazer os doces e arranjos sozinha.

Divulgação

Tatiane Barbo é mais um exemplo de empreendedora da XporY.com que busca uma renda extra neste período da Páscoa.  Ela também diz que encontrou na plataforma de permutas um assertivo meio de divulgação de seu trabalho. Ela criou a Santo Doce Confeitaria, há 2 anos e meio, para aproveitar o tempo ocioso que tinha em casa, já que trabalha apenas durante um período do dia. Apesar de ser formada  em Direito, Tatiane diz que sempre teve mais afinidade com seu lado empresarial do que com o de advogada.

Nesta época produz ovos de colher e doces para festas como os brigadeiros gourmet saborizados, além dos famosos bolos de pote. Ela também oferece seus produtos na plataforma de permutas, pois, segundo ela, é uma forma mais facilitada de acessar o seu público, tendo em vista seu tempo limitado para desenvolver um trabalho comercial. “Estou muito satisfeita com os resultados. Hoje a renda conquistada por meio das permutas representa cerca de 50% da minha receita mensal”, afirma.

“Apostar na economia colaborativa e compartilhada é uma das iniciativas que contribuem para gerar ainda mais retorno para os pequenos empreendedores, seja para gerar menos custos, com a permuta por exemplo, ou como uma forma de divulgar seu trabalho e produtos”, avalia o especialista em empreendedorismo, em inovação e em economia compartilhada, Rafael Barbosa, sócio fundador da plataforma de permutas multilaterais XporY.com.

Sobre a XporY.com

A XporY.com é uma scale up criada em 2014 com o objetivo de promover a economia colaborativa, mostrando uma outra alternativa para profissionais e empresas gerarem valor a seus serviços e produtos. Atualmente, são mais de 6.200 associados que oferecem uma infinidade de itens e serviços, e tudo é negociado em X$, moeda virtual que equivale a R$ 1. Os créditos em X$ podem ser consumidos com qualquer oferta cadastrada na plataforma.

Um diferencial da XporY.com, em relação a outros serviços de permuta, é a ausência de custo na adesão, ou seja, os participantes não precisam pagar para entrar na plataforma, e nem mensalidade ou anuidade.  Com a XporY.com, somente na hora de consumir, é que se paga apenas uma taxa de 10% em reais sobre o valor da compra.