Até este sábado (23), a psicoterapeuta Márcia Gaioso e o terapeuta Alessandro Campos participam do curso “Relacionamentos Conjugais segundo as Constelações Sistêmicas”, que começou na quinta-feira (21). O conteúdo é ministrado por Décio e Wilma Oliveira, do Instituto Desenvolvimento Sistêmico para a Vida (iDESV). Eles são pioneiros na terapia de Constelação no Brasil.
O curso, que é teórico e prático, acontece num hotel de Goiânia, com duração de mais de nove horas em cada dia. Adepta de diversas práticas saudáveis, Márcia Gaioso formou-se em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) em 2001 e trabalhou na área de psicologia empresarial durante nove anos.
Além disso, foi professora de Psicologia por oito anos, tendo atuado nas faculdades Araguaia e Cambury. Ela trabalha há 17 anos como psicoterapeuta, integrando diversas formações que vão de psicanálise a terapias quânticas. Já o terapeuta Alessandro Campos cursou Filosofia na Universidade Federal de Goiás (UFG).
É especialista nas terapias de Access Bars, Energetic Facelift, Theta Healing Advanced, Transformação Quântica da Consciência – Cura Quântica (TQC), Molecular Terminal Valence Sloughing System (MTVSS), Reiki e Regressão e Progressão de Memórias (RPM). Campos também está se aprimorando em Constelações Sistêmicas, de Bert Hellinger.
Além disso, dedica-se ao Ativismo Quântico, por meio de ferramentas e cursos de cura energética desenvolvidos por nomes como Nikola Tesla, Deepak Chopra, Amit Goswami, Rudolf Steiner, Vianna Stibal e Gary Douglas. O objetivo dos terapeutas com a participação no curso “Relacionamentos Conjugais segundo as Constelações Sistêmicas” é ampliar seus conhecimentos. “Com esse curso, vamos aumentar bastante os recursos terapêuticos para o trabalho que realizamos com os pacientes no consultório”, ressalta a psicoterapeuta.
Constelações Sistêmicas
Segundo Márcia Gaioso, “as Constelações Sistêmicas são a aplicação da teoria sistêmica nos relacionamentos humanos de qualquer espécie”, incluindo nos âmbitos familiar, profissional e social. “De acordo com essa metodologia, existem três princípios que regem e atuam em todas essas relações, que são os princípios do pertencimento, da hierarquia e do equilíbrio”, explica.
Dessa forma, as Constelações Sistêmicas possibilitam a identificação de falhas e problemas nos relacionamentos e servem também para indicar as possíveis soluções dos mesmos. Quanto às relações conjugais, que é o foco do curso ministrado em Goiânia, as Constelações Sistêmicas podem ser muito precisas, apontando quais princípios não estão funcionando bem num casal.
A psicoterapeuta pontua ainda que “cada pessoa é um sistema e está dentro de um sistema maior, que é o familiar, porque não carrega apenas questões individuais, mas também questões familiares e até da sociedade”. Márcia Gaioso revela ter observado que as Constelações Sistêmicas demandam que, para as pessoas sustentarem tudo o que lhes foi revelado numa Constelação, elas devem adotar as atitudes necessárias para isso.
“Para conseguir esse objetivo, às vezes é necessário um apoio psicoterápico posteriormente, a fim de que elas mantenham as mudanças positivas em suas vidas”, completa.