O isolamento social vivido em 2020 trouxe novas perspectivas para todos, fomos obrigados a viver uma realidade ao qual não estávamos acostumados. Em outubro, a Organização Mundial da Saúde, publicou um relatório onde apontou que a crise decorrente da covid-19 perturbou e/ou paralisou os serviços de saúde mental essenciais em 93% dos países do mundo. Aliado a isso, o teletrabalho teve muito mais desafios, segundo um relatório da Fundação Getúlio Vargas com foco em saúde (FGV Saúde), 46% dos entrevistados estão com sintomas associados à depressão.

Na contramão disso, as aulas online se apresentaram como alternativa no sistema de aprendizado e tiveram um crescimento de 57% , segundo o aplicativo Get Ninjas. Segundo a plataforma, as aulas online além de obrigatórias significaram uma melhor alternativa para muitas pessoas que querem impulsionar a carreira, hobbies e voltarem a ter interação social apresenta uma possibilidade da criação de um novo EU, ou seja uma nova identidade online, que vence as barreiras da timidez.

Em 2020, as aulas mais buscadas na plataforma foram de idiomas, reforço escolar, música e relacionadas ao bem-estar como yoga. A tendência continua em 2021. Rodrigo Berghahn, do Centro de Formação Minds Idiomas, afirma que há uma melhora na performance de 60% dos alunos no curso ao vivo e online. “Quando o aluno está no conforto da sua casa, ele se sente mais à vontade para abrir o microfone e falar. Com o passar do tempo e, vencendo a timidez e um certo preconceito contra o online, vimos uma melhora significativa. Além de ser uma forma de interação com os demais alunos da sala”, diz o Coordenador Pedagógico da Minds Idiomas.

Segundo o Centro de Formação Minds Idiomas, o perfil dos alunos que fazem os cursos é de 10 a 60 anos de idade. Para alunos de 20 a 25 anos que buscam um crescimento profissional ou a realização de ir para fora do país, o modelo online se mostrou eficaz no combate à ansiedade. Outro relato obtido através do centro, foi a economia com refeições e transporte por eles no sistema EAD e ao vivo e online.

Pensando nisso, o especialista do Centro de Formação Minds Idiomas , Rodrigo Berghahn elaborou 5 dicas de como vencer a ansiedade nesta pandemia e aprender a falar inglês:

• Coloque as suas redes sociais e celular no idioma inglês

Certamente você mexe todos os dias no celular. Então, já gravou todos os caminhos para executar qualquer ação digital. E, por este motivo, inserir um outro idioma, força seu cérebro a decorar os comandos novamente. Esse é o primeiro passo para se aprender um outro idioma.

• Ouça suas músicas com as letras em inglês

A música está presente em nossas rotinas e, devido ao mundo globalizado, o inglês é presente em sua grande maioria. Escutar uma música em inglês e ir procurar sua letra original (não a tradução), certamente fará você ver palavras que não conhece. Busque-as! Tente cantar junto, e xô vergonha!

• Matricule-se em um curso que se adeque a sua rotina

Esta parte é muito importante. Quando estamos buscando um curso é normal ficarmos com o que mais nos chama atenção. Mas, pensar em como é a sua rotina é essencial para que ele dê certo. Entenda que você precisa de tempo para as lições, para praticar e para fazer as aulas. No Centro de Formação Minds Idiomas, há diversos horários e modalidades nas turmas, acesse aqui para saber mais.

• Tenha um local de estudos apropriado

Esse espaço será seu cantinho dos estudos, ou seja, ela precisa estar equipada para suas práticas, suas anotações e ser confortável. Para que você possa tirar algumas horas na semana para praticar, fazer as lições e assistir às aulas.

• Sonhe

Defina uma meta, escreva, e vá anotando seu progresso. Seja viajar a passeio, fazer um intercâmbio, subir de cargo na empresa ou uma melhor colocação profissional. Não deixe de perder o foco do porque este estudo é tão importante para você!